• Jéssica Iancoski

Aline Bei - A Espera | Revista La Loba: Poesia Feminina

Poema de Aline Bei A Espera.


Aline Bei é uma escritora brasileira. Depois de ganhar o Prêmio Toca, criado pelo escritor Marcelino Freire, escreveu em 2017 seu primeiro romance, O Peso do Pássaro Morto. Com ele, foi a vencedora do Prêmio São Paulo de Literatura de 2018 na categoria Melhor Romance de Autor com Menos de 40 anos. Nasceu em São Paulo em 1987, atualmente está com 34 anos.


►► Apoie o projeto! E nos ajude a espalhar mais poesia

https://apoia.se/tomaaiumpoema

poema de aline bei a espera
A Espera (Poesia Contemporânea: Aline Bei/Toma Aí Um Poema)

Poema: A Espera

Poeta: Aline Bei

Voz: Jéssica Iancoski | @euiancoski


Use #tomaaiumpoema

Siga @tomaaiumpoema


A Espera


o sol deslizava pra baixo da terra, como se agora a sua missão fosse iluminar o mundo dos mortos. no entanto, mesmo com a chegada da noite, fazia um Calor

terrível e

o suor escorria

dos rostos bronzeados das mulheres na varanda.

por estarem de frente e serem irmãs, uma parecia o espelho da outra

enquanto uma Mosca sobrevoava

aquelas cabeças, sempre à procura de qualquer coisa inominável.

uma das mulheres embaralhava as cartas

enquanto a outra olhava o Horizonte

e sentia uma brisa no rosto, tão rara naquela época do ano que talvez fosse apenas imaginação.

uma criança apareceu na porta,

esfregou os olhos.

as mulheres começaram o jogo

enquanto o pequeno se deslocava

pela varanda

estalando a madeira

com os pés.

escalou as pernas da mãe, se aconchegou em seu colo.

o papai já vem, a mulher sussurrou

acariciando

os cabelos do menino, o bebê fechou os olhos

como se tivesse morrido.

as duas mulheres eram pessoas simples, bastava ir ao banheiro da casa para confirmar o que eu digo. um pequeno espelho com moldura de plástico era tudo o que elas tinham, além de um batom vermelho

presente

que ganharam

da mãe

e que foi guardado

talvez pelo desejo de fazer o Tempo parar

naquela infância

em que a vida parecia ter algum significado por trás dos gestos e tudo era Lento, mesmo quando elas corriam.

a mulher sem criança no colo acendeu um cigarro e olhou para as suas cartas.

depositou uma delas na mesa

e enquanto a irmã pensava na próxima jogada

ela se levantou para acender a luz. notava-se que um dia fora bela, e ainda tinha um brilho escondido no fundo do rosto que poderia, por que não? ser despertado

caso encontrasse as mãos pequenas e hábeis de um novo amor.

ela aproveitou para checar

o seu bebê

que estava assistindo televisão

com a sobriedade de um homem feito, herdou isso

do Pai.

quando o menino percebeu a presença materna, se virou.

tinha o rosto

desfigurado, com a pele toda voltada

pra dentro, era como se o Fogo

ainda estivesse lá.


►► Leia a Revista La Loba em

https://drive.google.com/file/d/1PIdHXZo30_PJSkxuIDxagMssrcJjYg1C/view?fbclid=IwAR3fxeQXIYznubbpLO5OiKnzj-P65gvKnc8tmCXeH20KV8622oiS4ymXZno

poema de aline bei a espera
A Espera (Poesia Contemporânea: Aline Bei/Toma Aí Um Poema)

Poesia Contemporânea no YouTube =P

Conheça o Podcast Isto não são só Poesias: ►►https://open.spotify.com/show/163N38GrKyTBAfFN2nW1hU


#alinebei

#poesiacontemporanea

#poetisa